A Diarista

maxresdefault
(Imagem: Captura de Tela)

Com direção de José Alvarenga Júnior – o mesmo diretor de Os Normais – o seriado A Diarista contou com quatro temporadas e foi ao ar de abril de 2004 a junho de 2007.  O piloto, contudo, estreou em dezembro de 2003 com texto de Glória Perez e, devido a grande audiência, deu origem ao programa.

A Diarista narra o cotidiano de Marinete, uma diarista que trabalha cada episódio em uma casa diferente. O chefe da agência de diaristas, Figueirinha, sempre atrasa o pagamento moça. Marinete tem ainda três amigas que sempre se envolvem nas suas confusões: Solineuza, Dalila e Ipanema.

Em relação ao plano da expressão, a vinheta de abertura foi um elemento de destaque. Ao som da música Dona da Banca, a vinheta mostra um jornal na seção de classificados e, dentre eles, está o anúncio de uma diarista com a descrição: “lavo, passo, limpo casas, apartamentos, hospitais, hotéis. Muamba de qualidade. Confusão garantida”. O anúncio é, então, circulado em vermelho. A descrição do anúncio já apresenta o conteúdo do programa, revelando o que o público pode esperar da série.

Já na esfera do plano do conteúdo, o indicador diversidade de sujeitos representados recebeu avaliação boa em todas as emissões analisadas, se destacando em relação aos demais indicadores desse plano. Comumente os episódios apresentam diversidade socioeconômica, exemplificada na diferença entre o nível econômico e social dos patrões e das diaristas. Pode-se também perceber diversidade de gênero e pontos de vista, por exemplo.

O indicador desconstrução de estereótipos foi, por sua vez, avaliado como fraco em todas as emissões. Os personagens são, muitas vezes, representados de forma caricatural, como Solineuza, que é ingênua e sempre chamada de “poia” ou “songa monga” por Marinete, que a considera muito burra. Já Ipanema é uma mulher independente e segura, que conserta suas próprias coisas.

Entretanto, ela é representada de modo masculinizado, como se a mulher independente, que sabe mexer em aparelhos eletrônicos, por exemplo, não pudesse ser muito feminina. Já Marinete reforça o estereótipo da mulher baixinha e nervosa.

Em relação ao indicador oportunidade, o programa obteve avaliação fraca em três emissões e razoável em outras duas. Os episódios que receberam avaliação fraca não continham temáticas muito atuais ou relevantes que fizessem parte das agendas do público e da mídia. Já o episódio “Aquele do Supermercado” recebeu avaliação razoável porque trata das compras no supermercado, assunto presente no cotidiano da maioria do público, embora não esteja tão presente na agenda da mídia. O episódio “Aquele do Dia da Fúria” recebeu igual avaliação também por tratar de assuntos frequentemente presentes na agenda do público, como o pagamento de contas ou problemas com o cartão de crédito, que levam a ligações estressantes para as agências bancárias.

A ampliação do horizonte do público também não obteve avaliações consideráveis nas emissões analisadas. Quatro receberam avaliação fraca por não trazerem à pauta temáticas relevantes socialmente, capazes de levar o público à reflexão e ao debate de ideias.  Apenas o episódio “Saia Injusta” recebeu avaliação razoável no indicador, pois trata, ainda que rapidamente, do preconceito socioeconômico, já que, durante o episódio, a vendedora de uma loja insinua que Marinete não poderá pagar pelos produtos e se recusa a atendê-la. Marinete rebate: “Olha só, pobre e rico no cemitério é tudo a mesma coisa, sabia?”.

Abaixo, podemos ver os indicadores de qualidade do plano do conteúdo para cada episódio:

Untitled 1

Já na esfera da mensagem audiovisual, o indicador clareza da proposta foi muito bem avaliado em todas as emissões analisadas, já que o formato do programa é nítido e se repete. Em todas as emissões verifica-se, por exemplo, que antes do terceiro bloco, quando vão entrar os intervalos comerciais, algum personagem aparece e pede para o público não mudar de canal, dizendo que o último bloco estará divertido.

Tal característica incrementou também o indicador solicitação da participação ativa do público, que recebeu avaliação boa em todos os episódios analisados. No episódio “Aquele do Supermercado”, Marinete diz: “Fiquem aí que o terceiro bloco está divertidíssimo, enquanto isso eu vou ali no banheiro do supermercado dar uma ajeitada aqui. E vocês sabem que quando eu digo guerra é guerra”. O uso de expressões dirigidas diretamente ao público, como “vocês” ou o imperativo “fiquem”, são destaque em relação ao indicador.

O diálogo com/entre plataformas, por sua vez, obteve avaliação fraca em duas emissões, razoável em outras duas e boa em um episódio. As emissões consideradas fracas no indicador não tinham conexão com outras plataformas ou menções a elementos da realidade. Os episódios que obtiveram avaliação razoável continham ao menos uma menção a tais elementos, como no episódio “Aquele do supermercado”, que cita o Big Brother Brasil, e o episódio “Aquele do Dia da Fúria”, que cita o cantor Fábio Júnior e uma de suas músicas.

O episódio “Aquele dos Outros”, no entanto, contém ainda mais referências da realidade, fazendo menções à cidade de Petrópolis, à personagem Hilda Furacão e ao filme Pânico, uma vez que a famosa máscara do filme é usada no episódio. Sendo assim, tal emissão recebeu avaliação boa, se diferenciando das demais.

Já o indicador originalidade/criatividade recebeu avaliação razoável em todas as emissões, já que o formato do programa não apresenta grandes inovações em relação a outros programas já exibidos. O conteúdo trabalhado pela série também não se destaca em relação ao indicador.

A partir da análise, pôde-se observar que em relação à mensagem audiovisual, o indicador solicitação da participação ativa do público obteve certo destaque em contraste com outros programas televisivos. O fato de Marinete e outros personagens se dirigirem ao menos uma vez diretamente ao público, olhando para a câmera e solicitando que continuem assistindo ao programa, incrementa o indicador. Tal ação não é observada com constância na televisão brasileira, à exceção de programas como Os Normais, também dirigido por José Alvarenga Júnior.

A seguir, os indicadores de qualidade da mensagem audiovisual com as respectivas avaliações:

Untitled 2

Entretanto, o programa A Diarista não se destacou em indicadores essenciais ao humor de qualidade, considerado aquele que desenvolve temas relevantes socialmente e que podem levar o público à reflexão e ao debate de ideias.

O indicador ampliação do horizonte do púbico, por exemplo, obteve avaliação fraca na maioria das emissões analisadas, já que não são trabalhados temas férteis, que podem levar o telespectador à discussão. Mesmo o episódio “Saia Injusta”, que recebeu avaliação razoável por tratar do preconceito socioeconômico, não se destacou no indicador, pois o tema não foi desenvolvido ou trabalhado com a relevância esperada para levar o público a uma reflexão mais aprofundada.

Por Júlia Garcia Gouvêa Andrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>