Observatório da Qualidade no Audiovisual

Nyah! Fanfiction

 

Criado em 2005, a plataforma de fanfic Nyah! Fanfiction reúne histórias dos mais diversos gêneros e públicos. Segundo o moderador do site, Michael Frank, o espaço tem como principal objetivo “[…] fazer com que as pessoas tenham prazer na leitura, ao mesmo tempo incentivá-las a explorar seu lado criativo” (NYAH! FANFICTION, 2019, ONLINE). Como pontua Jamison (2018) a criação de fanfics é motivada não só por questões como, por exemplo, a insatisfação com o cânone, a falta de representatividade nas histórias e aspectos ligados ao ativismo de minorias, mas também funciona como um espaço de experimentação. De acordo com a autora, muitos fãs usam esta prática como forma de expressão pessoal e criativa. Em outras palavras, um ponto importante da […] “função social, literária e política da fanfiction é que as pessoas realmente contam histórias que querem contar, sem pré censura ou noções pré concebidas sobre o que vai vender” (JAMISON, 2017, p. 277). Ao propor o desenvolvimento de histórias a partir de paratextos, o site, como um todo, está relacionado à capacidade de Interpretar. A dimensão da narrativa e estética, da transmedia literacy, abrange a habilidade do sujeito de entender uma história e reconstruir mundos narrativos (SCOLARI, 2018). Dessa forma, ao criar, hospedar, incentivar, distribuir e divulgar esta prática da cultura de fãs, os membros do Nyah! Fanfiction materializam a capacidade de interpretar criticamente e criativamente os conteúdos ficcionais.

A equipe fixa do Nyah! Fanfiction é composta por seis pessoas, são elas: Anne L., 25 anos, Kaline Bogard, 36 anos, Camila Felacio, 35 anos, responsáveis pelo gerenciamento do site (suporte, regras de violação, recomendações e etc.), Jean Claude, 21 anos, Tatiele Freitas, 32 anos, responsáveis pela seção de Português e pela Liga dos Betas, e Michael Frank, 33 anos, CEO da plataforma. De acordo com as informações do Nyah! Fanfiction, todos os membros da equipe atuam e/ou estão envolvidos no âmbito da escrita como Tatiele, que é doutoranda em Estudos Literários, mestre em Teoria Literária, especialista em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana, graduada em Letras/Português pela Universidade Federal de Uberlândia (NYAH! FANFICTION, 2019, ONLINE). Os demais se declaram escritores, poetas, leitores assíduos, além de serem graduados em áreas como letras, pedagogia, design, entre outras. Essa expertise dos fãs integra as comunidades de conhecimento propostas do Jenkins (2009), em que o público reúne seus esforços individuais em prol de um objetivo coletivo. No caso do Nyah! Fanfiction, cada membro da equipe ajuda naquilo que tem maior familiaridade. Isto é, Michael é graduado em Desenvolvimento de Sistemas para a Internet e atua na manutenção do site, já Jean é estudante de Letras/Literaturas da Universidade Federal do Rio de Janeiro e produz os conteúdos da seção Português e é leitor Beta.

A home do site é composta por seis seções: Categorias, Português, Liga dos Betas, Recentes, Pesquisar e Ajuda. Na página principal também é possível acessar o setor de login/cadastro, ler pequenos textos com dicas de português, as últimas notícias, o ranking dos melhores leitores da semana (aqueles que deixaram o melhor feedback para o autor e tiveram seu comentário selecionado) e indicações de fanfics feitas pelos próprios leitores. No final da página, no rodapé, estão disponíveis as regras gerais do site (termos de uso, regras de postagem e regras de conduta) e informações institucionais (suporte, imprensa e contato).

O Nyah! Fanfiction conta com apenas um perfil nas redes sociais. Com 91 mil curtidas, a fanpage no Facebook divulga informações sobre a manutenção do site, lançamento de novos recursos, além de blocos temáticos de histórias. Como, por exemplo, no dia do Folclore, comemorado em 23 de agosto, foram publicadas várias fanfics relacionadas ao assunto. O perfil também posta memes ironizando o processo de produção das histórias, os conteúdos repercutem não só entre os membros do Nyah!, mas entre outros usuários da rede social que estão envolvidos, de alguma forma, na produção de narrativas.

A seção Categorias apresenta as principais segmentações do Nyah! Fanfiction, as histórias publicadas no site são divididas em onze grupos, abrangendo formatos e gêneros, tais como poesias, filmes, bandas, mangás e etc. Ao clicar em um dos grupos o usuário tem acesso aos títulos (de séries, filmes, entre outros) em que as fanfics são inspiradas. É a partir dessa segmentação fixa do site que os autores categorizam suas produções facilitando a busca na plataforma.

De acordo com Scolari (2018) na transmedia literacy, a dimensão da narrativa e estética abrange a capacidade do sujeito de Reconhecer e Descrever gêneros, formatos e linguagens de diferentes meios e plataformas. O ponto ressaltado pelo autor pode ser observado na seção Categorias. Isto é, ao disponibilizar a fanfic no Nyah! o usuário identifica os segmentos que a trama publicada por ele integra. O modo como o autor classifica, ou seja, sua capacidade de reconhecer os elementos relacionados ao conteúdo como, por exemplo, ao romance ou ao terror, influencia diretamente nos motores de busca do site, facilitando ou não que os leitores encontrem a história, além de realçar o seu entendimento sobre o que produz.

A seção Português é mantida pelos administradores do Nyah! e é composta atualmente por 33 lições sobre os mais variados tópicos relacionados à língua portuguesa e à gramática, tais como: acentuação, uso de crase, hífen, tempos verbais e etc. O interessante da seção é que além de explicar os conteúdos de forma didática, através de uma linguagem próxima aos jovens, e da adoção de recursos gráficos (tabelas, gráficos, grifos e etc.), os autores dos textos estabelecem um diálogo com os leitores.

Os autores pedem, por exemplo, o feedback sobre os temas e o modo de apresentação das lições. Nos comentários, os leitores tiram dúvidas de gramática e ressaltam como as lições ajudam em outros ambientes, como a escola. A seção abrange a capacidade do fã, na transmedia literacy, de Aplicar valores estéticos e narrativos na criação de conteúdos. Nesse sentido, os autores compreendem a importância do uso correto da língua portuguesa na produção de fanfics e como isso contribui para a qualidade das histórias.

Outro ponto importante é o senso de comunidade presente nesta prática. Conforme explica Jamison (2018) a produção e o consumo de tramas criadas por fãs envolve uma constante colaboração de autores e leitores. No caso da seção Português, os usuários trocam experiências, tiram dúvidas, indo além de discussões referentes ao cânone e/ou a verossimilhança dos arcos narrativos. A reflexão abarca também aspectos técnicos do processo de escrita.

Os autores que mantêm a seção Português integram a Liga dos Betas. Beta é uma nomenclatura própria do âmbito das fanfics e se refere aos usuários que pré aprovam a publicação do um capítulo (JAMISON, 2017). Esta validação não é obrigatória, mas muitos autores adotam esse recurso para aprimorar sua escrita. Ao compreenderem criticamente tanto o universo ficcional no qual a trama é baseada quanto questões ligadas à língua portuguesa e à gramática, tanto os Betas como os usuários do Nyah! que recorrem a esta pré leitura dialogam com a capacidade de Avaliar e Refletir proposta do Scolari (2018).

A partir das observações dos Betas os autores fazem correções, repensam o desdobramento dos arcos narrativos e etc. Como já discutimos em outras análises deste projeto, alguns autores costumam compartilhar com os seus leitores as reflexões levantadas pelos Betas na seção de comentários ou de notas.

As seções Recentes, Pesquisar e a aba Melhores leitores da semana estão relacionadas à capacidade de Comparar ressaltada por Scolari (2018). Segundo o autor, nesta dimensão da narrativa e estética, que integra a transmedia literacy, o sujeito tem a habilidade de diferenciar gêneros e formatos e com base no seu conhecimento sobre a estrutura, escolher os conteúdos midiáticos. Seja buscando e, posteriormente, selecionando através das palavras-chave ou enviando comentários sobre as histórias, o usuário faz uma curadoria das tramas. Como aponta Jamison (2017, p. 199), “[…] há algo fascinante na forma como uma comunidade decide quais histórias promover. Não existe um editor ou uma equipe de editores lendo um livro e decidindo publicá-lo. Em vez disso, é um coletivo de pessoas […] que escolhe uma fic e decide que adora”. Dessa forma, ao buscar e selecionar quais os melhores conteúdos o usuário demonstra sua habilidade de comparar, proposta por Scolari (2018).

Por fim, as seções e abas relacionadas às dúvidas, regras e direitos autorais ressaltam a capacidade dos usuários de se organizarem enquanto comunidade. Refletindo não só sobre o funcionamento do site, dos posts, mas considerando também questões ligadas às propriedades criativas do cânone e das fanfics.

Referências

Imprensa. NYAH! FANFICTION, 2019, Online. Disponível em: <https://fanfiction.com.br/imprensa>. Acesso em: 7 out. 2019.

JAMISON, A. Fic – Por que a fanfiction está dominando o mundo. São Paulo: Rocco, 2017.

JENKINS, H. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2008.

SCOLARI, C. Literacia transmedia na nova ecologia mediática – Livro Branco. Barcelona: Europen Union Funding for Research & Innovasion, 2018.

Observatório da Qualidade no Audiovisual

Comentar

Apoio

   CNPq   Capes   UFJF   Facom   PPGCOM